Que horas mesmo?! A impontualidade do brasileiro

Postal expat: saudades dos meus postais expat?! (não precisa dizer se a reposta for negativa) Depois de uma temporada no Brasil eles voltaram com tudo! 

Foto: Camila Marquim

Foto: Camila Marquim

Fiquei um tempinho sem escrever os postais expat porque a volta do Brasil foi corrida! Lá eu descobri que minha família lê e às vezes se diverte muito mais com esses postais aqui que com os que falam sobre viagens. Foi gostoso ver minha prima fazendo um comentário sobre algo que falei num postal expat. Parece que esse espaço nos conecta de alguma forma e eles sabem o que se passa na minha cabeça. E isso é muito legal. :D

Mas vamos ao que interessa: minha vida de expatriada!

Os choque culturais inversos

Passei 17 dias no Brasil e foi tempo suficiente pra ter aqueles “choques culturais inversos” sabe? Tipo, coisas que eu reclamo dos franceses e quando chego no Brasil reclamo exatamente do contrário nos brasileiros. Ou seja: você já se acostumou e se adaptou ao jeito francês de fazer as coisas, mas continuava reclamando dos franceses. É, vida de expatriada tem dessas…

E uma das coisas que mais me incomodou foi a impontualidade dos brasileiros.

Camila, a atrasada.

Só pra dar aquela situada:  eu sou a moça que sempre, eu disse sempre se atrasa pra fazer as coisas. É de praxe meus 15 minutos de atraso. Eu melhorei muito! E aqueles atrasos de 40 minutos que eu costumava ter logo quando cheguei aqui, hoje estão na casa dos 15 minutinhos.

Meus amigos franceses já sabiam que quando tinha de marcar comigo o ideal era dizer que a coisa é meia-hora antes da hora certa pra não ter perigo. Com tempo fui melhorando e embora ainda não seja uma lady da pontualidade, acho que avancei muito.

“Já tô chegando, fulaninho”

Eu tinha perdido a noção de como as coisas funcionam no Brasil. É mais ou menos assim: marcamos às 20h. Aí eu cheguei às 20h e a pessoa ainda não. Aí umas 20h15 eu ligo (não, a pessoa que está atrasada geralmente não te liga) pra pessoa pra saber se está tudo bem.

Aí ela me diz o bom e velho “já tô chegando“. Sendo que não, ela não está chegando. Ela sabe que só chegará no mínimo daqui 40 minutos, mas ela tem dificuldade em dizer isso (acho eu). Ela quer ser legal comigo. Mas só que aí ela me deixa na ilusão que está chegando. E eu esperando, e esperando, e esperando…

1h depois da hora combinada ela finalmente chega. E eu passei 1 hora esperando!

Isso não aconteceu 1 ou 2 vezes nos 17 dias que estive no Brasil. Isso aconteceu trocentas vezes. Seja para encontros de amigos, familiares ou mesmo pra encontros profissionais! Tive bastante dificuldade em aceitar isso viu?!

Claro que eu tenho de advogar a favor dos atrasados porque eu sou uma delas, mas atrasos de 1 hora não são atrasos, gente. Atraso é 10 minutos. E aquelas velhas desculpas do trânsito, da lua, da maré, do amigo que atrasou na real só são uma desculpa pra sua falta de organização. Meus 15 minutos são minha falta de organização.

Como diz minha mãe: já afrancesei!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Adorei o post, Camila! Eu vivo este martírio desde que nasci! kkk Nasci no país errado!!! Sou pontual e acabo sempre esperando pelas pessoas e juro que não consigo me acostumar com isso!!! Neste quesito, me daria bem na França, né? Beijinhos!

  2. sandra Marquim disse:

    Sou brasileira e pontual, fugindo a regra. KKKKKK