C’est pas mal

Postal expat : tive sérios problemas com esse tal de « c’est pas mal », viu ?

Primeiro : uma opinião

Não vou entrar nos detalhes da minha opinião senão leva um outro postal inteirinho só pra discorrer sobre o assunto. Mas os franceses tem uma forma de ser, a meu ver, bastante critica das coisas. Eles criticam tudo !  Absolutamente tudo !

Nada é muito bom, nada é bom o suficiente pra eles. Pega até mal ser super otimista e alto astral por essas bandas em certos casos. Você pode ser visto como alguém ingênuo ou bobo. E isso se reflete na língua, nas palavras. Quer um exemplo ? é o tal « pas mal ».

“Pas mal” significa, numa tradução bem literal : não é mau/ruim.

Crise profissional, a gente vê por aqui !

No trabalho quando minha chefe dizia que o que eu fazia era « pas mal » eu entrava em pânico ! Como assim não é ruim ? Se não é ruim significa que não é bom ! O que falta pra melhorar ? Seria o equivalente de um « ééé, ta bonzinho » ?!?!

Seria, mas não é !

Devido a essa forma de ser deles, eles raramente fazem elogios. Então quando algo é pas mal, significa que é bom, que esta legal. Mas levou tempo ate meu cérebro não interpretar « esta bonzinho » ao ouvir as 2 palavrinhas matadoras em francês. E ai que entra o significado das palavras e não a sua tradução literal, meu amigo !

Quantas vezes sai do cinema, o filme era massa, e meus amigos diziam : ééé, esse filme é pas mal. Com aquela entonação de quem não esta nem um pouco empolgado com o negocio. Mas eles tinham gostado de verdade. E só que eles não vão dizer efusivamente que foi um ótimo filme ! Franceses geralmente são contidos. Eles raramente se desmancham em lagrimas e riem ate a barriga doer. Não estou dizendo que eles são pessoas insensíveis, veja bem. Estou dizendo que externar essas coisas não é da mesma forma que nos brasileiros.

A evolução da espécie : plutôt pas mal.

Eu já tinha começado a me acostumar com o tal do pas mal. Eis que entra na minha vida o plutôt pas mal ! Plutôt pas mal seria uma espécie de : não é nada mal.  Plutôt é advérbio de maneira. Então ele reforça o « não é ruim ».

E se você pegar a tradução literal do nada mal, em português ainda deixa uma brecha pra duvida. Dizer que algo « não é nada mal » já é bem melhor do que dizer que não é ruim, estamos de acordo ? Mas também não significa que a coisa é excelente.

Mas aqui plutôt pas mal é elogio ! Se um troço é plutôt pas mal, saiba : é muuuito bom !

Gostou?! Então pra ver mais postais da minha vida de expatriada na França, clica aqui na foto ó:

Foto: Camila Marquim

Foto: Camila Marquim

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Cristiane disse:

    Que interessante ! Fico imaginando eu,vivendo na França com esse meu jeito italiano/brasileiro de ser…tipo :
    “noooosaaaa”, “que demais”, “ameiiiii”, viraria um “então tá né”…. Mas, temos que respeitar a maneira de ser de outros povos. O mundo acha o brasileiro muito exagerado, pegajoso e quente demais…fazer o que né… Mas ainda acho que um abraço bem apertado ainda é o melhor remédio !
    Um abraço p/ você

    • camila disse:

      Cristiane!!! (com muitas exclamações, nada nada à la francesa)

      Isso aí, ninguém é melhor que os outros, temos de respeitar o jeitinho de ser de cada povo. Tem características que podem ser boas ou ruins à depender do contexto. O nosso jeito hiper efusivo às vezes esconde, por exemplo, uma superficialidade, na minha opinião. Mas pode ser extremamente legal em certos contextos.

      E olha, tô aceitando o abraço apertado, como boa brasileira que sou! ;)
      Um outro abraço pra tu!

  2. Sandra Marquim disse:

    Vc abordou muito bem o ” jeito francês ” de ser e encarar a vida. Aprendi um pouco dos franceses.