A disputa mais cheirosa de Colônia – qual a verdadeira água de colônia.

Neste postal: sabe aquele perfume que a gente chama “água de colônia”?! Pois bem, ele tem esse nome porque foi criado em Colônia, essa simpática cidade alemã que fui visitar. Mas há 2 águas de colônia que disputam o título de primeira e original água de colônia. Façam suas apostas e vamos às candidatas!

água de colônia

Uma das águas de Colônia que disputam o título de A Verdadeira. Foto: Camila Marquim.

Farina versus Nº 4711

água de colônia

O Museu do perfume da Farina. Foto: Camila Marquim.

As 2 marcas tem lojas e seus respectivos museus do perfume. Eu não tive tempo de ver os 2. Como tinha dado aquela passada com meu guia grátis (pra entender a estória do guia grátis, vem nesse postal aqui ó) na frente da Nº 4711, resolvi visitar o museu do perfume da outra marca, a Farina.

Informação interessantíssima: é possível reservar sua visita e tem visitas em português pra alegria dos brasileiros que não falam outras línguas. Legal, né?! É só ir no site deles. ;)

Site da Farina: https://farina1709.de/en/index

Eu reservei minha visitinha e lá fui eu entender a estória da água de colônia, como são feitos os perfumes etc e tal. A Farina começa com o tal do italiano que decide se instalar em Colônia e começa a vender suas essências trazidas da Itália.

Farina

água de colônia

Mas finalmente, quem é a original? Foto: Camila Marquim.

E segundo a versão da Farina, esse cara, o tal do Farina, é que inventou a água de colônia. O nome foi dado pra homenagear a idade na qual o italiano vinha de se instalar. Inicialmente a idéia era realmente disfarça o cheiro das pessoas nas precárias condições de higiene do século XVIII. O negócio ficou famosíssimo e aí o business do homem se desenvolveu aparecendo vários imitadores. Dentre eles…

Nº 4711

Essa é uma das imitações que sobreviveram ao tempo e ganhou mais prestígio que a água de Colônia original. Isso porque Napoleão, em uma das suas passagens por Colônia, vai a Nº 4711, gosta do perfume e acaba lançando tendência na França com a água de Colônia. Eis que a fama da 4711 e a confusão estão criadas. Pra completar, aparentemente foi a Nº 4711 quem registrou o nome ‘água de colônia” primeiro e detém portanto, o direito de dizer que é A Água de Colônia!

água de colônia

Do ladinho da loja da Nº 4711, onde meu guia explicou a função inicial do perfume. Foto: Camila Marquim.

Lembrando que toda essa estória foi a versão que ouvi na minha visita guiada ao Museu do Perfume da Farina. Eles tem todo interesse de contar a estória desse jeito. Ah, me lembro também que o guia falou que já houve várias disputas em tribunais e que a Farina sempre ganhou as causas como a verdadeira água de colônia.

Mas e o cheiro?!

Olhe, sendo bem sincera, são muuuuito parecidos e as 2 fragrâncias lembram muito aquele perfume de vó ou (se você não tem essa vó antiga que usou água de colônia) produto de limpeza de banheiro. Pelo menos é o que todos dizem que o cheiro lembra. Pelo sim, pelo não, comprei um vidrinho com o cheirinho das 2 pra não ter brigas. ;)

água de colônia

Vitrine da Farina (que hoje em dia produz mais que a fragrância pela qual ficou famosa). Foto: Camila Marquim.

Bem, digamos que meus vidrinhos são mais decorativos do que pra usar o perfume em si, gente…

Disputas e confusões nos tribunais à parte, o fato é que a visita às 2 casas de perfume em Colônia será um momento, no mínimo, agradável! ;)

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Marcia disse:

    Muito legal seu post. Gostei de conhecer a história da água de colônia. Abraço!