O manual do novo Recifense.

Você pode gostar...

150 Resultados

  1. Thiago Luiz disse:

    Que massa! hahaha
    Muito bom o manual. Falou como autêntica recifense. 😉
    Sou da Zona Norte desde que nasci. Morei em outros lugares por pouco tempo. Sempre volto rsrs
    Parabéns! Ficou arretado! Já é recifense mermo hahaha
    E já que, depois desse texto, me sinto íntimo, um cheiro pra tu 😀

  2. Dani disse:

    Marrr menina, que manual bom da gota, amei! Tô impressionada porque a Globo não retirou o sotaque recifense da novela Geração Brasil; desistiram, ninguém sabe imitar ‘mermo’!

  3. Ygor Sarkis disse:

    Muito bom o manual , parabéns Camila. Não tem como morar em Recife e não se identificar !. Vou indicar no meu portal Confira Mais 🙂

    Também deixo aqui uma sugestão minha de link para a página, neste hotsite tem as principais músicas que Alceu Valença toca no Carnaval entre outras da época de folia: http://www.programacaocarnavalrecife.com.br/fique-por-dentro-dos-frevos-e-marchinhas-do-carnaval/

    Se curtir, fica a vontade para indicar no seu post na parte que vocês fala do Frevo e do grande Alceu. Abraço

  4. Joaquim Medeiros disse:

    Gostei imensamente do “Manual”; sou de Manaus-Am e mudei para Recife a 07 anos ao casar com uma recifense, adoro a cidade; mas agora moro em Gramado-RS com minha pernambucana. Sei que seu manual vai ajudar muita gente. Parabéns!

  5. Andressa moneta disse:

    Adorei o texto! Morri de rir! Sou recifense r moro há 14 anos no Sul e esse texto me fez matar um pouco da saudade!

  6. Carmelo Filho disse:

    Ei, Camila! Dispense ficar falano dessax parada! Tá ligada? kkkkk (Brincadeira, achei o post filé)
    Mais olindense que essa só a única frase que eu conheço daqui que não tem consoante “óia o auê aí ó?” xero de um recifense/olindense (18 anos morano nas Holanda e mais 18 morano em Hellcife)

  7. Cristina Lyra disse:

    Que massa!!!!! rsrsrs
    Muito bem escrito, sou Pernambucana e você nos retratou muitíssimo bem. Parabéns!

  8. Hélio jose disse:

    Minha irmã tu tira onda! parabéns pelo texto visse?
    ri muito e tu estás é muito certa… engraçado é o William bonner quando vai falar de nosso reveillon e – Vamos ver como está la na praia DA Boa viagem? onde é isso em?

    • camila disse:

      Kakakakakakak

      Hélio, é muito tosco pra gente o sotaque que eles tentam imitar e quando falam dos lugares da cidade usando os artigos diferentes também.

      Um cheiro!

  9. fatima disse:

    Vc conseguiu retratar nossa terra da maneira mais gostosa e verdadeira possível. Parabéns!

  10. Riva Filho disse:

    Oxi…. Tu esquecesse do OXI!!!

  11. Juliana disse:

    Moro a 14 Anos em Brasilia, mas o “RICIFE” vem comigo a onde eu for! Ja fui chamada de Pau de Arara, mas não nego minha raça…Nascida e Criada e Aldeia e em Casa Forte, Digo…. não tem lugar melhor na face da Terra! e Digo mais Não tem melhor time que o meu Sporttttttttt kkkkkkkkk Um Xeru!

  12. Muito massa o Post!!!! Num discordo em nada! Parabéns!

  13. Thiago disse:

    Só pra esclarecer, nós nordestinos não temos sotaques, fomos colonizados primeiro, quem sotaque é o resto.

    • camila disse:

      Kakakakaka

      Thiago, pior que o português que a gente fala no Nordeste, em alguns pontos, lembra muito mais o sotaque do português de Portugal. Por exemplo os ‘Ts e os ‘Ds’ nossos.

      😉

  14. Rosa Maria disse:

    Adorei esse manual! Sou pernambucana do interior , da cidade de Limoeiro, mas tô morando em Natal a 2 anos e meio, nada me faz esquecer que meu Pernambuco é o melhor estado que tem no nordeste, e aqui as boyzinha tiram onda com meu sotaque, vixe,visse,e então… Mais eu não ligo eu tenho orgulho do meu sotaque, gosto mermo de me amostrar kkkkkkk, e se eu dizer que sou de PE eles pensam PB, eu tenho q dizer sou de Recife, aí eles intende! É uma pena que só posso ir nas férias, mais gosto do Mercado da Madalena, carnaval pra mim tem que ter frevo, seja Alceu ou não, e tenho que passar no Recife Antigo, é lei escutar chico!E tirar foto na estátua de chico, todo mundo já bicado! Kkkkkkkk, vou compartilhar esse manual pra as boyzinha potiguar entender o recifense ou pernambucano.

  15. paullorobert disse:

    Perfeito, a nossa cara mesmo! Precisa fazer um post sobre a musicalidade nossa que é intensa e adversa multicultural abraço, vou ficar frequentando aqui.

  16. José Luiz disse:

    Muito bom!!! Ao ler me senti um antropólogo, sociólogo, o matuto do interior (que não come sushi), e um recifense apaixonado. Que maravilha de texto e de realidade… Nem me importei de ser a fatia pobre da Veneza Brasileira! 😉

    • camila disse:

      Zé Luiz,

      E você é pobre, rapaz? Pobre é quem não tem amor no peito e, como você é apaixonado pela cidade, pobreza não combina contigo. Diga, no máximo, que financeiramente não tá tão folgado. 😉

      Um cheiro!

  17. Barbara disse:

    Mulher tô toda arrepiada aqui velho. Mermão é muita emoção. .eu tô longe do Recife uns quatro anos ja..mirmã tô chorando aqui pow. ..eitha saudade.. do meu Recife.. Adorei o texto. .amei os comentarios..eu começei a ler mas num conseguir ler todos não tô chorando aqui… cheiro pra todos e até um dia…quando chegar ai no aeroproto quero gritar bem alto VOLTEI RECIFE..FOI A SAUDADES QUE ME TROUXE PELOS BRAÇOS

  18. Marcelo Menezes disse:

    Só queria fazer uma ressalva sobre Recife ser a capital brasileira do whisky. A capital é também onde se consome mais whisky no mundo. Mais um dado pra adicionar à tantos outros hehe 🙂

  19. Waldomiro disse:

    Morei três anos (2009 a 2012) em Boa viagem/Recife, estava a trabalho em Suape/Petrobras. Foi o melhor período de minha vida, onde fiz muitos amigos que serão para vida toda com certeza. Hoje aposentado, estou com muita vontade de voltar a morar em Recife. Tudo que a Camila descreve em seu testo sobre Recife/Olinda é a pura verdade! Obrigado Pernambuco!

  20. Pedro Henrique disse:

    Muito massa…..gostei pra caramba.
    Concordo plenamente da imitação tosca no nosso sotaque nas novelas da globo. kkkk

  21. Geraldinho disse:

    Camila,
    Parabéns pelo seu texto, ficou bacana =)
    Já recebi ele de várias pessoas que você nem conhece.
    Ah, depois quero saber os seus primos que não comem sushi hahaha Os matutos de mais longe todos comem heheeh
    Sucesso! Bjo

    • camila disse:

      Geraldinhoooo,
      Isso que é muito louco na internet, né? Essa coisa de espalhar informação e a gente nem imaginar a proporção que as coisas tomam.
      Olhe, eu entrego logo que Maria Clara e Gabriel não queriam comer sushi toda vez que eu convidava. Não sei se com seu empreendimento o paladar deles mudou. Acho que sim porque já vi fotos de Clara lá. Quando for à Recife vou querer experimentar, aqui sushis são uma porcaria (pelo menos os que eu posso pagar!) e nada de temakis. Kakakakaka

      Um cheiro pra tu!

  22. Adorei o texto. Muito criativo. Nossas tapiocas também são atrações a parte. Bj

  23. Foi massa o que tu escreveu boyzinha! Compartilhando agora mermo!

  24. Deborah Narmadha disse:

    Carambaaa, olhe, sei não viu!!! A-D-O-R-E-I moro em Brasília já tem 8 anos e vou te falar, quem é de Recife sabe quem é de Recife! Aqui quando encontro algum já falo logo: ” tu é diii rêêcife né?” ♡♡ e como uma pessoa disse; só nós podemos falar da cidade, se alguém disser que alguma parte é feia ou fedida aí a gente já acha ruim. E já dala logo de porto. Que para nós é simplesmente Porto. Para os outros é Porto de Galinhas. Saudade do meu Rêcife* ♡

  25. Elk disse:

    Mulher, tu é arretada mermu, visse?!
    Pense num texto massa. Vou compartilhar.

  26. Lana disse:

    Amei o texto, muito real!!! Kkk Só discordo sobre Lenine, antes de aprender o coro do hino de Pernambuco tem que aprender o coro de Leão do Norte “Eu sou mameluco, sou de Casa Forte, sou de Pernambuco, eu sou do Leão do Norte…” Cheiro!

  27. Breno disse:

    Camia,

    Achei bem espirituoso seu post, especialmente a observação do caldinho no sol de lascar aqui de Recife. Quanto a Olinda, estou lá na defesa. Sou do interior também, mas a família de meu pai é toda daqui, mas nasci e morei até adolescente em uma cidade chamada Limoeiro. Concordo demais com a coisa do bairro, mas sinto isso muito mais de quem é da Zona Sul. Zona Norte vive na função do bairro, mas Boa Viagem quer ser uma cidade a parte.
    Quanto as boates, além das que o pessoal complementou faltou você mencionar a Boate Metrópole de público gls, que está aí tem uns 11 anos já, se não me engano.
    Eu ainda acrescentaria ao post a coisa de apelidar tudo por aqui:
    Obelisco de Cristal de Francisco Brennand = Pitoca de Brennand
    Ir para Olinda = Ir prás holanda
    Antigo = das antrolas
    Aloma (bar em Olinda) = Alombra
    Região do Mercado de São José = Vuco-vuco ou baixa da cachorra.
    Ainda as tribos que frequentam o Bairro da Boa Vista e por aí vai… Bem, se fosse citar tudo, teria que ser um conto e não um post 🙂

  28. Antonio Alves Pereira Filho disse:

    Morei em Recife (ou NO Recife) durante os cinco melhores anos da minha vida (1975/1980). Tenho uma ex mulher Pernambucana, por quem tenho muito respeito e carinho, tenho um filho que é acreano de nascimento mas Recifense assumido. Tenho um neto (um tal de Guilherme, que é a coisa mais linda de Recife, digo, do Recife, ou melhor, do mundoi).. Morei na Antonio Falcão um tempo (Edificio Copernal – nem sei se ainda existe), na Navegantes, 1979 outro tempo). Como se vê, minha vida está estreitamente ligada à antigamente chamada ”Veneza brasileira). Aliás, sempre achei isto errado. O certo seria chamar Veneza de ”Recife Italiano” pois numa comparação entre duas coisas,a mais importante vem em primeiro lugar.
    Então acho que estou habilitado a faz poucas observações (não são críticas). Quando cheguei à cidade, vindo do Rio de Janeiro, a cidade estava sob um torpor por causa de uma cheia que ocorrera com o rompimento de uma adutora qualquer que não me lembro o nome. A enchente inundara Recife. O Governo liberou FGTS para os atingidoos, indenizações foram pagas as milhares pelas seguradoras ou governo ao comercioe indústria. Muita gente se enriqueceu com o evento, tanto assim que se referia à enchente como a ”santa cheia”. Quando vc fala sobre os boatos de inundação, com certeza isto são resíduos do trauma de 1975. Sobre Olinda, na primeira visita que fiz à cidade me informaram que a única coisa bonita de Olinda é a vista que se tem do Recife. Ah, esdpera aí. Sobre o Sotaque, meus tresfilhos cariocas abandonaram o sotaque carioca e assumiram o do nordeste. Hoje já r eassumiram o shxhsh carioca. E sobre o Rééécife… bem…, só se mudou algo. PQ se fala sim. Rééécife, Petróólina, séértão etc. Desculpe, abçs

    • camila disse:

      Antônio,

      Que relato delicioso o seu! Amei! Principalmente a parte da cheia, não sabia desses desdobramentos da ‘santa cheia’ Eu sei de relatos de uma real cheia. Mas você não faz noção como as imaginárias são comuns por lá por esses tempos…

      Um abração!

  29. Cris Albuquerque disse:

    Olá, excelente post. Só nao entendi por que o nome do post eh Manual do “novo” recifense! ? Por que não só Manual do Recifense!? Abraços.

    • camila disse:

      Oi, Cris!

      Esse postal foi uma resposta ao pedido de uma leitora. Ela tinha acabado de se mudar pra Recife e queria entender como eram as coisas, o que alguém de fora, o tal “novo recifense”, precisa saber dos códigos sociais da região. Foi daí que surgiu a necessidades de explicar como funciona a vida do recifense ao “novo recifense”.
      😉
      Um cheiro!

  30. Ótimo Camila! Parabéns, só acrescentaria o nosso caldinho de cana com bolo bacia, no lugar da glicose na veia após uma garrafa de wisque! Kkkkkk

  31. Andréa Melo disse:

    Adorei‼️muito criativo, inteligente e verdadeiro

  32. A-DO-REI teu texto! Já repassei pros meus amigos 😀

  33. Joselio disse:

    Oi Camila, sou mineirinho e (embora morando em Florianópolis há 8 anos) como um bom admirador da cultura nordestina, seu texto me deixou mais empolgado para ir ao/em/no Recife. Parabéns pelo texto! Um cheiro!
    P.S: aqui no Sul a gente costuma falar: “beijos” kkkkkkk

    • camila disse:

      Joselio,

      Sua casa atual (Floripa) é linda! Amei quando aí estive. Minas está na minha lista de sonhos ainda não realizados, mas vou resolver isso!

      Se você gostou do texto vá mesmo à Recife porque você precisa provar um tal de bolo de rolo (guarde esse nome!) pra cair de amores! Ah, e acompanhe seu bolo de rolo de um suco de cajá que é tiro e queda: paixão certeira!

      Um beijo e um cheiro pra você!

  34. Maria Helena disse:

    Sou Recifense e mora em BH há 10 anos. Morro de saudades da minha terra. Aqui as pessoas não acreditam que tomamos sopa todos os dias, inclusive no verão. Que tomamos Caldinho na praia embaixo de um sol escaldante. E muitas outras coisas que só acontecem em Recife. Adorei o texto.A Saudade aumentou ainda mais.

    • camila disse:

      Maria Helenaaa,

      Tenho parentes no Rio de Janeiro que também se espantaram de comermos sopa no jantar! Kakakakakaka
      Espero que o texto tenha te aproximada da nossa terra um pouquinho que seja.

      Um cheiro!

      • Gislaine Andrade. disse:

        Retificando: tomar sôpa. Não se come aquela sôpinha, maravilhosa, de feijão! E tem que ter todos os dias. Tomo até pela manhã e como entrada no almôço. Delícia, se bem feita, claro!
        Você acertou em quase tudo sôbre o recifense, em geral. Boa observadora! Parabėns!

  35. Kleyton Lisboa disse:

    Camila, adorei o texto e o humor usado em cada tópico abordado.
    Muito massa.
    Parabéns viu!
    Um cheiro!

  36. Pedro disse:

    vei, concordo com tudo

  37. Tu é do Sport, né não? Faltou dizer que os torcedores do Sport são os mais chatos (em relação ao time) e com mania de ser superior! Chero

    • camila disse:

      Alessandra,

      Pior que eu não sou nada. Meu irmão é Sport, então sempre que tô junto dele quero que o Sport vença. Meu noivo é Náutico, então quando estou com ele sempre torço pro alvi-rubro. Minha vida é uma loucuraaa!
      Sim, faltou dizer que a galera do sport é meio ‘cabulosa’. Kakakakak

      Um cheiro!

  38. Carlos Eduardo disse:

    Quando vc fala da disputa entre as cidades Recife e Olinda, fala como se Olinda se limitasse à cidade alta quando vai muito além disso (e aí é que a situação piora hahaha). E nem consigo acreditar que vc esqueceu o Uk, que tá aí a quase 10 anos, se não mais, pra contar história! E é engraçado o seu ponto de vista dos matutos, porque eu acho que todo matuto novo rico que chega na capital quer morar perto da praia, de preferência numa cobertura na avenida, e dar uma de playboy nas boates mandando distribuir “viuvi clicô”, jurando as recifenses “vão endoidar”, quando na verdade faz efeito contrário, porque as recifenses são chatas demais! e não, por mais que ALGUNS queiram, eles nao perdem o “quê” que todo matuto tem…

    • camila disse:

      Carlos,

      você fez muuitas considerações, vamos por partes! 😛
      – Recife X Olinda: realmente me limitei ao núcleo “cabeça” que mora em Olinda ali na cidade alta.
      – UK foi uma falha minha. Ela já tem 10 anos?! Uau! Tá fazendo reza no mesmo lugar que os donos da Metrópole
      – Matutos. É verdade que tem os matutos ricos que vão morar em BV. Mas eu falei da maioria que é pobre mesmo (tipo eu) e vai morar na Boa Vista. Kakakakak Mas você tem razão que existe essa fatia matuto-novo-rico-de-BV.

      Um cheiro e obrigada pelas considerações! 😉

  39. Ana Lúcia Pinheiro de Oliveira disse:

    Parabéns pelo post,sou cearense e visito Recife com frequência…amo as músicas de Alceu e de Geraldo Azevedo,lamento muito que Alceu seja lembrado só no carnaval.

    • camila disse:

      Ana,
      Vou colocar aqui minha teoria louca sobre a nossa relação com Alceu. Acho que é a forma como nós o mantemos em nossos corações: 1 vez por ano tomamos uma ‘overdose’ de Alceu no carnaval. É taaaanto Alceu, que depois precisamos de uns tempos sem ele pra amá-lo mais intensamente no próximo carnaval. Kakakakak

      Um cheiro

  40. Klaiton R Silva disse:

    Camila,

    Sou Olinda/Recifence há 18 anos nos EUA. O seu texto é show. O “disclaimer” que você usou no começo sobre as generalizações foi muito bem posto mas nem todo mundo entende a ponto de te dar a liberdade que você precisa pra discorrer. Mas, parabéns visse… Tu sois medonha mesmo.

    • camila disse:

      Klaiton,

      Obrigada pela observação. Nem todos entendem mesmo… Mas que bom que tem gente que nem tu que presta atenção e entende a intenção do texto.

      Um cheiro pra tu na Terra do Tio Sam!

  41. Nonato magalhães júnior disse:

    Ótimo texto , parabéns

  42. SAULO SANTOS disse:

    Extraordinário, parabéns pela perfeita etnografia da nossa cidade e do nosso povo… de nós!
    Abraço e Paz
    Saulo

  43. Bárbara disse:

    Massa, Camila!

  44. natascha disse:

    Que delícia de texto, me identifiquei em vários tópicos, kkkk.

  45. Carlos Leite disse:

    Excelente texto! Ri bastante.

  46. Mare disse:

    Essa generalização de camisa xadrez e chapéu foi tosca e que não come Sushi tb. Não dá pra generalizar pq é minoria. As tribos urbanas do Recife que frequentam o Recife antigo usam mais chapéu e camisa xadrez, do que nos matutos. kkkkk

    • camila disse:

      Mare,

      Talvez… Eu me baseei nos meus primos (tenho uns 60, sabe como é família de interior, né?). A maioria deles ou se integrou totalmente ao jeito recifense de ser, ou ficou muito ligado ao interior e preservando roupas, sotaque e a aversão à culinária japonesa.

      Mas talvez você tenha razão.
      Um cheiro!

  47. Tiago Fontes disse:

    Muito bom, visse?

  48. Maria BetaniaCaminha disse:

    Amei,Camila!

  49. Luisiana Lamour disse:

    Massa mesmo!Esta é a minha terra visse?

  50. Chicão Albuquerque disse:

    Bem legal o texto! No geral, é isso mesmo. Apenas a questão Recife/Olinda que observo mais além.

    • camila disse:

      Oi, Chicão!
      Brigadão! O objetivo era dar uma visão geral (e por isso mesmo, como toda generalização: simplista e falha em certo ponto) pra uma pessoa que não é de Recife e nem de Pernambuco sobre o povo recifense. Por isso pode ter pecado em algum ponto, reconheço. 😉

      Um abraço.

  51. Paty disse:

    Massa! Faltou dizer que a maioria dos jovens descolex de Recife adoram frequentar os bares sofisticados do momento, mas se for um botequinho com cerveja barata proximo dos “bairros de elite” vira moda também!
    E depois dos casamentos e formaturas, nao importa o seu traje, é de lei a saidera no boteco ou o café da manha na macaxeira do mercado Madalena.

  52. Valfrido Gerosino Filho disse:

    Muito bom e pertinente, inclusive em relação ao Lenine, pensava eu pela sua distância da cidade, que nem era pernambucano! Chega mais no povo, ô Lenine!

  53. Cadu disse:

    Muito bom, traduziu bem a cultura recifense.

  54. penhacunhalima disse:

    Gostei………mas o boyzinho/ boyzinha nunca ouvi ninguém falar, sou matuta também, com muito orgulho…..

  55. Uma sugestão, Recife e Olinda se orgulham do carnaval multicultural e sem “as cordas” de dos blocos de Salvador, mas os ricos, os que se acham ricos ou os que querem ostentar enchem as redes sociais com foto em camarotes, áreas VIP, Backstage. Tapete Vermelho e tantas outras nomenclaturas para subdividir áreas de boates e shows.

    E faltou também falar das recifenses, que são as mais criteriosas do Brasil quando se trata de paquera e que apesar de vivermos enraizados no forró, xaxado e baião, elas só dançam com quem elas julgam ser um bom partido ou pelo menos que tenha chances de ficar com ela. Aqui temos nas festas que tem forró um monte de mulher no meio da pista sem fazer nada e um monte de homem com medo de chamar pra dançar e levar um fora. Esta característica não se repete em outras capitais e cidades do interior do estado.

  56. Matt disse:

    Cara, nos Pernambucanos somos tão “cabuloso” q vem gente aqui “arengar”. Kkkkkk. Sou, Recifense e ri pra burro com esse texto. Foi brilhante! Só acrescentaria uma coisa: “todo Recifense mete-o-pau em Recife, mas vá você de fora falar mal” kkkkkkkkk parabéns. Ficou massa!!!

  57. Só não concordo quanto ao que foi dito sobre Lenine, todo recifense que eu conheço até mesmo os matutos do interior,como eu,amaaaaaaam e admiram de mais esse cara!!!Ele tem a carreira muito bem consolidada e sempre que pode, lota seus shows por aqui! mas isso nem sempre é possível,devido justamente a agenda!por isso pode até parecer que a galera não da muita bola,mas isso não confere!

    • camila disse:

      Celiane,
      eu gosto de várias músicas dele. Acho ele ótimo e o admiro como profissional! Mas não sei se concordo de ele ser altamente popular em Recife.

      De qualquer forma, tenho certeza que ele tem muitos (merecidos!) fãs na terrinha.
      Um abraço!

      • Carlos Leite disse:

        Até gosto das músicas dele, mas talvez Lenine não seja dos mais populares em Recife por ter renegado um pouco a terra e afirmado em entrevista ser um “carioca convicto”.

        • camila disse:

          Carlos, não sabia dessa declaração dele. Mas acho que ele faz uma música de alta qualidade e que não é simplista pra ser consumida pela massa. Isso sim faz diferença pra popularizar a pessoa. É muito difícil fazer música boa e que “o povo” goste. Poucos conseguem esse feito. Não sei se a declaração dele realmente influencia na popularidade dele em Recife. Mas é algo a se pensar.

          Um cheiro!

    • Jakov disse:

      Isso não confere no seu círculo. No meu confere, Lenine certamente não é unanimidade. Até com camisa do Flamengo ele circula por aí. (aliás, outra característica recifense: ter antipatia e vergonha de nordestino que torce pra “time de fora”).

      Texto arretado.

      • camila disse:

        Jakov,

        Não sei se Lenine anda com blusa do Flamengo, mas do pouco que entendo do futebol pernambucano: se ele andar com blusa do Flamengo, “é bronca, mô véi”! Você tem razão nesse ponto: os que gostam de futebol tem sérios problemas com a manipulação que rola no Sudeste.

        Um cheiro!

  58. Marlon Almeida disse:

    rsss… muito bom! Parabéns 😉

  59. Ina Melo disse:

    Maravilha ver a nossa linda cidade com os olhos do bem. So faltou mesmo foi lembrar da beleza dos rios e das pontes! Recife e apelidada de Veneza brasileira, pois era assim no comeco da sua colonizacao. Depois os homens foram mapaeando, construindo pontes e a fez assim. Uma linda mulher abracada por dois rios e namorando com o mar. Obrigada pelos comentarios. Sou recifense com muito orgulhos, sim senhor!

  60. Suzane Melo disse:

    Muito massa!!!!!

  61. Fernanda disse:

    Bem idiota vc dizer q matutos andam de camisa xadrez. Eu msm vim do interior e nem por isso ando de camisa xadrez nem vou p mercado da madalena comer macaxeira. Vcs recifenses n sei de q se orgulham tanto… achar q ter uma praia, boates e shoppings os fazem felizes. Lote de consumistas sem cabeça.

    • camila disse:

      Oi Fernanda!

      Eu também sou do interior (São Caetano, juntinho de Caruaru) e também não uso camisas xadrex e nunca fui comer macaxeira no Mercado da Madalena. Já somos 2 contra as estatísticas.

      Como falei lá no começo do texto, ele generaliza e pode não representar todo recifense e todo interiorano. Mas ele tenta mostrar como se comportam a maioria das pessoas que habitam Recife.

      E o mais importante: sem dizer que alguém é melhor ou pior que os outros por ser assim ou assado.

      Mais amor e oxente, por favor!

  62. Raquel Procopio disse:

    Amei o post! É de um carinho singular com todas as particularidades da terrinha. Faltou o detalhe que vamos para praia de Boa Viagem nos fins de semana mas se é feriado, a cidade inteira vai para as praias do litoral Sul ou do litoral Norte (quase esqueço o Norte, cresci nas da região Sul, kkk).

    • camila disse:

      Raquel,

      Eu tô adorando todos os adendos que vocês fazem! Tem taaanta coisa que eu não pensei na hora de escrever e que mostra como é esse “bicho recifense”! Inclusive esse teu: BV é só pra fim de semana, quando chega feriado ou férias, recifense renega sua praia de todo dia! Kakakakak

  63. caioalves disse:

    HAHAHAHA perfeito. sobre as boates, a metrópole ta aí há mais de 10 também. 🙂

  64. Luana disse:

    Morri de rir em cada item! Adorei! hahaha Só faltou falar dos bregas tocando nas paradas de ônibus e carrinho de cd. rs https://www.facebook.com/pages/Quem-gosta-de-brega-sou-eu Parabéns pelo texto! 🙂

    • camila disse:

      Lu-a-naaaa!!!

      Mulher de Deus, sou até suspeita pra falar porque sou bregueira assumidíssima (como metade dos recifenses), mas realmente faltou aprofundar o tópico sobre a musicalidade recifense e, CLARO, o brega!

      E o que seria do brega sem os carrinhos de cd?!

      Um beijo sabor chocolate pra você, sua romântica! (ps: só os realmente entendidos de Rádio Recife, compreenderão) Kakakakaka

  65. Gustavo Galvão disse:

    Segue ai para vc matar a saudade uma foto 360 que fiz:
    http://www.click360graus.com.br/tour/recife/

    • camila disse:

      Gustavo, que lindeza sem fim!!! Adorei!!!
      As cores desse pôr do sol com o marzão são incríveis! Já tô vendo as outras aqui (paço alfândega, pôr do sol em BV).

      Obrigada! :*

  66. Jovem, ficou massa demais! Faltou explicar porque é “no Recife” e não “em Recife”. E saber que isso é ponto de distinção social. Além de que a pronúncia certa do nome da capital pernambucana é: Rê – ci – fê! Cheiro pra tu.

  67. Cristóvam disse:

    Arretado 😀

  68. Thiago Oliveira disse:

    O que anda solando no vocábulo atual : “é pra torar a melhor capital do brasil.”

    • camila disse:

      Kakakakakak
      Thiago, faz 7 meses que saí de Recife, aí tô por fora de muita coisa nova. Mas acho que foi depois da coisa da Eletroshopping com Dona Irene que o “é pra torar” caiu na boca do povo, né não?!
      Um cheiro!

  69. Cláudio disse:

    Ótimo texto. Só não concordei muito com a parte que diz que quem veio do Interior prefere a zona norte. Sou meio que BV total.

    • camila disse:

      Clááááudio!
      Ok, você foi uma exceção à regra que os interioranos se concentram na ZN. Mas parece que você não foi exceção na rivalidade Z Norte Versus Z Sul, né não?! 😛 Kakakakakak
      Um cheiro!

  70. Virlliam Chaves disse:

    Uma das coisas q mais escuto “quando abro minha boca”: Nossa… Vc nao fala q eh de Récife e sim Rêcife…

  71. Ahahahhaa… Rindo muito com seu post Camila. Conheci Recife semana passada e curti bastante. Faltou falar que o bolo de rolo pernambucano é inimitável em todo o nordeste. Os estados vizinhos até tentam, mas não conseguem. kkkkkk…

  72. Obrigada Camila…gostei muito do manual, muitas coisas esclarecidas…beijos

Fala aí

%d blogueiros gostam disto: